RÁDIO WEB NOVO TEMPO RECIFE, A Voz da Esperança | AO VIVO - Clique AQUI

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

28 crenças bíblicas no livro de Daniel - Parte 1

1. AS ESCRITURAS SAGRADAS. Daniel exaltava a Palavra de Deus todas as vezes que Deus lhe revelava Sua vontade. É possível identificar a exaltação da Palavra de Deus em cada capítulo de Daniel (Dn 1:8, 9).

2. A TRINDADE. Em Daniel, é possível visualizar a atuação da Trindade: Deus no trono do Universo, tendo sob Seu controle todos os reinos e impérios, estabelecendo e removendo reis (Dn 2:21). Deus o Pai é o provedor e fonte da redenção; Jesus, o Filho do homem, está no trono da graça intercedendo por nós diante do Ancião de Dias. Deus o Filho é o realizador da nossa salvação na cruz do calvário (Dn 7:13; 9:26). Jesus efetuou nossa redenção; o Espírito Santo está no trono do coração humano. E deu a Daniel o Seu poder (Dn 4:7, 8). O Espírito Santo aplica a salvação à nossa vida (Dn 4:37).

3. DEUS PAI. Daniel exalta a pessoa de Deus o Pai (Dn 2:23; 5:23; 9:4; 7:9). Por meio do testemunho de Daniel e de seus companheiros, tanto Nabucodonosor quanto Dario também exaltaram a Deus (Dn 3:28-30; 4:34-37; 6:25-28). O nome de Deus é bendito para todo o sempre (Dn 2:20). O povo de Deus se chama pelo Seu nome (Dn 9:19).

4. DEUS FILHO. Daniel exalta Jesus na pessoa de Miguel (Dn 10:13, 22; 12:1). Na literatura Bíblica, Miguel é introduzido em Daniel 10:13, 21 e 12:1 e reaparece em Judas 9 e Apocalipse 12:7. Em Daniel 7, Jesus é o Filho do homem.

5. DEUS ESPÍRITO SANTO. Daniel tinha o “Espírito do Deus Santo”. A versão de Teodócio diz: “Que tem em si o Santo Espírito de Deus.” Quem reconhece esse fato não é Daniel, mas Nabucodonosor (Dn 4:8, 9). Nada é difícil para quem tem o Espírito Santo. Em Daniel 9, Daniel ora por si e pelo povo. Reconhece o pecado do seu povo e é inclusivo ao pedir perdão. Quem nos convence do pecado, da justiça e do juízo? (Jo 16:8).


6. A CRIAÇÃO. Como Criador, Deus muda os tempos e as horas, revela o profundo e o escondido, conhece o que está nas trevas, e com Ele mora a luz. Deus está nos céus (Dn 2:20-22, 28).

7. A NATUREZA DO HOMEM. Daniel não fala sobre os detalhes da natureza do homem, mas enaltece o fato de que Deus é Todo-Poderoso e o homem é especial para Deus, porém, limitado e dependente dEle. Para Daniel, é Deus quem dá conhecimento, inteligência, cultura e sabedoria. O homem não é um fim em si mesmo (Dn 1:17). É de Deus toda a sabedoria e força (Dn 2:20). É Deus quem dá o reino, o poder, a força e a majestade a Nabucodonosor (Dn 2:37). Para Nabucodonosor, enquanto ele era rei de reis, o Deus de Daniel era Deus dos deuses e Senhor dos reis. Deus envia Seus anjos para nos erguer quando caímos (Dn 8:17, 18; 10:8-10). Em Daniel, fica claro que Deus ama o homem (Dn 10:11, 19). Sem auxílio de mãos, Deus estabelecerá o Reino de Seus filhos. Deus não está dizendo que não precisa dos homens, mas que o mais importante é confiar em Seu poder (Dn 1:45).

8. O GRANDE CONFLITO. No decorrer da história e a da profecia, há um grande conflito entre o bem e o mal. É Possível identificar o grande conflito em cada capítulo do livro de Daniel:

Existe uma dieta pagã e uma dieta divina (Daniel 1).
Existem reinos e impérios deste mundo e o reino eterno de Deus (Daniel 2).
Existem os deuses e o Rei de reis e o Senhor dos Reis (Daniel 2:37, 47).
A verdadeira adoração e a falsa adoração. A música divina e a música humana (Daniel 3).
A grandeza do homem e a grandeza de Deus (Daniel 4).
A resposta dos astrólogos e a resposta de Deus (Daniel 1 e 5).
O Leão da tribo de Judá e o leão que deseja nos tragar (Daniel 6).
O chifre pequeno e o Altíssimo (Daniel 7).
Um santuário pisado pelos homens e purificado por Deus (Daniel 8).
O pecado do homem e o perdão de Deus. O homem se degenera e Deus restaura (Daniel 9).
Uma guerra entre o príncipe do reino da Pérsia e o príncipe Miguel. Uma luta entre o anjo Gabriel e Lúcifer (Daniel 10).
Uma batalha final (Daniel 11).
Os purificados, embranquecidos e provados e os ímpios procedendo impiamente diante de suas respectivas heranças (Daniel 12:10, 13).

9. VIDA, MORTE E RESSURREIÇÃO DE CRISTO. Quase no fim dos 490 anos tirados dos 2.300 anos proféticos, mais precisamente no ano 31 de nossa era, Jesus morre na cruz do calvário para nos salvar e fazer cessar todos os sacrifícios cerimoniais. Daniel nos diz que Jesus é Filho do homem, à destra de Deus, intercedendo por cada um de Seus filhos (Dn 7:13). Fica subentendido no texto Bíblico que Jesus ressuscitou, pois, em outra cena, posterior à morte dEle, Ele é visto no Céu, numa cena de julgamento. Em Daniel 12, Miguel é o instrumento divino para proteger os Filhos de Deus e ressuscitá-los (Dn 12:2). Jesus só pode ressuscitar porque Ele ressuscitou primeiro.

Continua...

(Marcos Almeida Souza, diretor do Instituto de Desenvolvimento do Estudante Colportor [Idec], no Iaene e na Faama)


Tire suas dúvidas e encaminhe suas sugestões para o Ministério Novo Tempo Recife, através do e-mail: contato@novotemporecife.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário